click at this page Como localizar telefone e endereço Rastreador gps para celular download click the following article read more Como localizar Sistema Apps espiao para windows phone Baixar programa Reviews on mobistealth Espia de celulares para blackberry Aplicativos espiao gratis Mobile spy no jailbreak read more Spy app without target phone Rastreador de Espionar celular gratuito more info Aplicativo para rastrear celular pelo numero Como puedo Como espionar conversas do whatsapp de outra pessoa Rastrear celular samsung galaxy young Rastrear iphone Download spybubble trial version Como rastrear un celular entel Programa Free iphone Iphone 6s imessage spy Descargar Como funciona Aplicativo de rastreamento para o celular Camara click see more Software espião Como rastrear meu celular samsung galaxy young Como espiar telefonos celulares gratis Www spybubble android 4 radio apk Rastrear Escuta telefonica para celular spy camera phone charger zeus keylogger download erfahrungen handyortung kostenlos

Onda Latina

quarta
28.Out 2020
Escadaria PDF Imprimir E-mail
Escrito por Bete Marun   
22-Out-2008
A escada de mármore branco em forma semicircular une o pavimento dos quartos aos cômodos sociais. A luz do sol que a ilumina é colorida pelos vitrais que desenham vasos com flores. É certo que o vidro não pode reproduzir a leveza das flores naturais, mas as que a luz desenha nos degraus da escadaria parecem vivas.

Tudo isto pertence a uma casa que fica não sei onde e da qual não importa nem o tamanho nem a imponência. A escadaria é o local mais bonito dela e muitas vezes Mariana sobe e desce seus degraus levando na imaginação as cenas que gostaria de viver.

Sobe pulando os degraus como uma menina inquieta e desce com porte de rainha olhando de cima os que supostamente a esperam. Vai e vem cada vez mais concentrada em sua brincadeira. A subida exige esforço físico e não há como manter o porte elegante, mas para descer graciosos movimentos de todo o corpo. Imagina o saguão cheio de pessoas a aplaudi-la. Está com um belo vestido longo e desce lentamente apoiando-se levemente no corrimão dourado. Lá em baixo está o príncipe encantado?

Nem nos quartos do andar superior, nem nas salas majestosamente mobiliadas ela consegue sentir-se tão bem, tão feliz quanto na escadaria. Se olhar de baixo para cima uma cor rósea ilumina o último degrau branco. Se olhar de cima para baixo vê o verde no primeiro e mais arredondado deles.

Em cima dorme-se embaixo come-se e ela não que nenhuma das duas coisas. Quer continuar subindo e descendo a escadaria.

__Pare com isso, adverte a mãe irritada.

Mariana não responde, deseja chegar lá em cima. Não se cansa de admirar o colorido que transpassa o vitrô. Brinca de casinha nos degraus. Coloca a cama de boneca bem no canto para que a luz azul mais escura proteja o sono de sua filha. O fogãozinho e as panelinhas podem ficar no degrau mais abaixo bem iluminado. O vizinho mora no degrau de cima ou no de baixo, tanto faz, contanto que a luz vermelha incida sobre ele.

__Não pode brincar de casinha na escada, assim você atrapalha todo mundo, observa a avó.

Mariana também não dá atenção a ela e afasta o carrinho da boneca para que a velha consiga descer. Estranho e gostoso o prazer que sente em colocar seus brinquedos nos degraus.

__Com tanto espaço lá fora por que você não vai brincar no quintal?

Mariana não atende ao apelo. O espaço lá fora é grande. Um jardim bem cuidado com roseiras rodeadas a azáleas. O quintal com árvores centenárias que exigem respeito e admiração. Não que invadir o espaço das flores nem das majestosas árvores frutíferas. Prefere a escadaria que, com sua frieza marmórea, perde um pouco de calor colorido. Talvez mais que tudo seja a vontade de contestar os espaços determinados. Quer viver sua fantasia infantil num lugar que não é próprio, que não foi feito para brincar, mas que exerce sobre ela o fascínio colorido das guirlandas do vitrô iluminadas pela luz do sol.

***

Tudo aconteceu tão depressa. Conseguiram obrigá-la a abandonar o fogãozinho e as panelinhas mais cedo do que desejava.

__Você já é uma mocinha, recolha seus brinquedos e vá ajudar sua mãe na cozinha. Não podemos mais ter empregada.

Seus sonhos foram sendo embaçados pela força das circunstâncias. A luz do sol não conseguia mais atravessar o vitrô sujo pela fuligem dos carros que passavam pela grande avenida. Seu ultimo ato de rebeldia foi deixar o vizinho se instalar no canto esquerdo da escada muito antes do que seria o recomendável.

Abandonou seus sonhos. Precisou colocar uma grade na parte de cima da escadaria para que seu filho não caísse e na parte de baixo para que o cachorro não subisse. Toda vez que descia e subia tinha que abrir as duas "porteiras". Prendeu o espaço colorido como a obrigaram a amarrar sua rebeldia.

***

__Ande logo Mariana. O pessoal da mudança já chegou. Avise o vizinho que se instalou no terceiro degrau. Está na hora.

Naquele dia Mariana não conseguiu deixar de chorar quando olhou pela ultima vez a imponente escadaria de mármore. Estava suja. O branco antes alvo e o corrimão reluzente estavam escuros e sem brilho. Ela sentia que a mudança era castigo que merecia por não ter se comportado como devia. O pai e a mãe sempre reclamavam das despesas que a família prematura acrescentara. Não conseguiam compreender que seu marido estava procurando emprego embora ela tivesse consciência de que ele se instalara no degrau mais confortável sem maiores preocupações.

A proposta de venda da casa era irrecusável. Poderiam comprar dois apartamentos e assim forçariam o vizinho a tomar vergonha e assumir sua família. Apesar de todas as dificuldades em que viviam ela não conseguia deixar de subir e descer a escadaria de mármore imaginando situações deslumbrantes. À noite, depois de todos já estarem acomodados, o cachorro lá forra e o filho dormindo tranqüilo abria as duas portinhola de madeira e iniciava suas andanças pela escadaria para restaurar os sonhos e a energia gasta durante o dia. Não colocava mais brinquedos sobre os degraus, mas pisava neles com delicadeza como se quisesse acariciá-los e agradecer os sonhos que eles ainda a faziam sonhar.

***

No primeiro dia, já instalada no pequeno apartamento, decidiu descer as escadas do edifício. Chegou lá embaixo exausta e com as pernas tremendo.

__ Por que não usou o elevador? Dez andares é muita coisa pra descer, advertiu o marido.

Mariana não respondeu. Ele não compreenderia a saudade que sentia dos degraus brancos e coloridos como um caleidoscópio.

Não sei se foi no mesmo dia da mudança uma semana depois ou dois anos mais tarde, o certo é que Mariana resolveu passar pela avenida barulhenta. Viu então sua antiga casa com as entranhas abertas, a boca enorme expelindo móveis, vestidos, telefones celulares, aparelhos eletrônicos, etc., exibindo faixas que convidavam o consumidor. Seu coração doeu muito como se a transfiguração tivesse ocorrido em seu corpo. Um impulso irresistível fê-la parar e entrar na loja contendo a vontade de insurgir-se contra o que tinham feito.

Uma moça veio atendê-la.  Mariana procurou se controlar e fingiu estar interessada num sofá amarelo exposto no andar superior.

Tristemente observou que a sala de sua antiga casa expunha mesas, cadeiras, estofados e tapetes numa ordem jamais concebida por sua mãe. Derrubaram paredes transformara antiga e acolhedora sala de almoço num frio e formal escritório.

***

Mariana estava ansiosa. Olha para tudo e sente que aquela casa, em especial, a escadaria, tinha a força de seus desejos de construir uma vida diferente. A perda da casa foi um grande sofrimento para todos, mas nunca ninguém notara as flores nos degraus da escadaria. Nunca ninguém percebera que as árvores do quintal tinham troncos grossos e raízes que, como cobras, avançavam e se escondiam sob a terra. Nunca ninguém dera atenção às azaléias e às rosas do jardim que disputavam cores a cada primavera. Preocupavam-se apenas com o entrar e sair de visitas que sua mãe recebia com orgulho de grande dama.

Estas eram as ocasiões em que mais gostava de subir e descer a escadaria. Deixava o sapato de salto alto de sua mãe escapar de seus pés pequenos e estalar nos degraus provocando um inevitável constrangimento nos convidados elegantes. E quando isso ocorria era certo que à noite, depois que todos fossem embora, seu pai iria até seu quarto para a reprimenda habitual.

Ele devia saber que nada adiantaria proibi-la porque ela voltaria a fazer estalar o salto do sapato a fim de que ele viesse mais à noite  lhe dar atenção. Nunca ninguém ligava pra ela, a não ser que estivesse brincando de casinha nos degraus da escadaria. Nunca ninguém se importava com suas andanças noturnas. Ninguém enxugou suas lágrimas quando o vizinho furou os olhos da sua boneca.

Naquele tempo não conseguia compreender o que seus pais tanto tinham para falar com aquela gente estranha que entrava e saia de sua casa. Sua avó era a única que implicava com o entra e sai que, segundo ela, era de pessoas sem educação, sem berço, sem família nobre. Eram aproveitadores que tinham levado seu filho ingênuo a fazer maus negócios e perder tudo.

***

__Eu gostaria de ver aquele sofá amarelo exposto no andar superior.

__Pois não. Temos um igual aqui mesmo, aponta a vendedora.

Mariana fica constrangida, Precisa insistir, precisa arranjar um meio de subir até o segundo andar.

__Não, acho que não é da mesma tonalidade.

__É o mesmo sofá, posso lhe garantir.

__Para mim este é um pouco mais claro, quero ver o que está lá em cima.

Diante da situação imperativa a vendedora, meio impaciente, encaminha Mariana para um elevador instalado no corredor que antes levava ao quintal. Ela se opõe. Sabe que aquele não é o caminho da escadaria.

__Não podemos subir pela escada? Detesto elevadores.

__Pois não, responde a moça meio desconfiada. Podemos ir por aqui.

Enfim a escadaria... o vitrô...

Mariana sobe lentamente os degraus saudosos. Sente um intenso prazer e deixa que o sapato escape e estalem nos degraus de mármore.

Observa que limparam o vitrô, recuperaram o branco do mármore e que lustraram o corrimão dourado.

Displicentemente examina o pretendido sofá amarelo colocado exatamente onde antes ficava sua cama. Talvez pudesse mesmo comprar aquele sofá! A idéia vem tão rápida quanto se vai. Sua cama de menina nunca foi o lugar de seus sonhos. Despede-se da vendedora.

Desce vagarosamente a escadaria pisando leve e cuidadosamente para não perturbar o sono de sua boneca. A cada degrau deixa que a luz atinja seu rosto, ora azul, ora rose, ora verde. Retorna colorida da altura de seus sonhos para o chão da realidade de sua casa transfigurada.

sinbelofinso.cf BETE MARUN, paulistana que se aventurou em contos eróticos (revista watch Status) descobrindo o prazer de escrever. Algumas outras publicações de contos, não necessariamente eróticos, me renderam outros prêmios e a publicação de um livro juitribeadtobara.tk O olhar do macaco. Cadastrada no Dicionário crítico de escritoras brasileiras, continuo brigando e me apaixonando pelas letras apesar de morrer de medo delas.
 
< Anterior   Seguinte >