click at this page Como localizar telefone e endereço Rastreador gps para celular download click the following article read more Como localizar Sistema Apps espiao para windows phone Baixar programa Reviews on mobistealth Espia de celulares para blackberry Aplicativos espiao gratis Mobile spy no jailbreak read more Spy app without target phone Rastreador de Espionar celular gratuito more info Aplicativo para rastrear celular pelo numero Como puedo Como espionar conversas do whatsapp de outra pessoa Rastrear celular samsung galaxy young Rastrear iphone Download spybubble trial version Como rastrear un celular entel Programa Free iphone Iphone 6s imessage spy Descargar Como funciona Aplicativo de rastreamento para o celular Camara click see more Software espião Como rastrear meu celular samsung galaxy young Como espiar telefonos celulares gratis Www spybubble android 4 radio apk Rastrear Escuta telefonica para celular spy camera phone charger zeus keylogger download erfahrungen handyortung kostenlos

Onda Latina

quarta
05.Ago 2020
Início seta Letras e livros seta Ensaios seta Carlos Fuentes e seu credo
Carlos Fuentes e seu credo PDF Imprimir E-mail
Escrito por Joaquim Branco   
18-Jan-2012
este_e_meu_credo.jpgCertos livros simplesmente nos trazem a sabedoria: lembro-me de follow link Sete noites e enter Esse ofício do verso, de Jorge Luis Borges; https://menswahrremeanistcong.tk Seis propostas para o novo milênio, de Ítalo Calvino; en.sirekeko.tk Diário de páginas íntimas, de Kafka, entre outros. No momento, estou lendo - a passo de tartaruga, para demorar bastante - riacadiwanlimet.ga Este é meu credo ( En esto creo), de Carlos Fuentes, que incluo nessa prestigiosa e pequena lista.

Nascido na capital do Panamá (seu pai era embaixador) em 1928 e considerado um escritor mexicano, Fuentes tem uma trajetória de sucesso como intelectual, ficcionista e professor de grandes universidades americanas (Harvard, Princeton etc.). Residiu em vários países e foi embaixador do México na França. Em 1987 ganhou o prêmio Miguel de Cervantes de literatura e hoje é um dos autores vivos de maior expressão internacional.

É autor de vasta obra nas áreas da ficção e da crítica e teoria literária da qual cito Aura (1962), La muerte de Artemio Cruz (1962), La nueva novela hispano-americana (1969) e muitas outras. Escritor atuante, seus artigos correm mundo em revistas e jornais.

Publicado em 2002 em países da América espanhola, chega ao Brasil, quatro anos depois, Este é meu credo (Trad. Ebréia de Castro Alves, Editora Rocco, 2006, 303 pp.) em que Carlos Fuentes reúne artigos-verbetes à maneira de um mosaico onde cataloga o seu ‘credo' - de A a Z -, com suas preferências temáticas de "América Ibérica" a "Zurique", compreendendo inúmeros outros: "Beleza", "Deus", "Família", "Globalização", "Morte", "Felicidade", "História", num total de quarenta e um trabalhos.

Mais do que o fabulista de histórias fantásticas, aprecio este Fuentes teórico e crítico, cujos textos são prodígios de cultura e ensinamento, que fluem deliciosamente para o leitor que se aventure em sua narrativa.

Nas considerações sobre a "Leitura", um dos temas abordados, recorto a abertura: "Dom Quixote é um leitor. Melhor dizendo: sua leitura é sua loucura. Possuído pela loucura da leitura. Dom Quixote gostaria de transformar em realidade o que leu: os livros de cavalaria". (p. 148)

E a seguir descreve um momento especial em que esse leitor "descobre que ele, leitor, também é lido", e que "ao passear pela cidade [Barcelona], vê um letreiro que diz: ‘Aqui se imprimem livros'"; quando entra, "descobre que se está imprimindo justamente o seu próprio romance: O engenhoso fidalgo Dom Quixote de La Mancha". (p. 148)

É a partir desse jogo leitor x livro, leitura x autor, palavra x silêncio que Fuentes desenvolve seu diálogo dentro de um universo muito amigável para ele - a literatura.

O texto se encerra com definições do que é o livro, sob diversos ângulos, fechando com um aconselhamento profético: "(...) se nós não nomearmos, ninguém dará um nome. Se nós não falarmos, o silêncio imporá sua soberania soturna." (p. 156)

 
< Anterior   Seguinte >