click at this page Como localizar telefone e endereço Rastreador gps para celular download click the following article read more Como localizar Sistema Apps espiao para windows phone Baixar programa Reviews on mobistealth Espia de celulares para blackberry Aplicativos espiao gratis Mobile spy no jailbreak read more Spy app without target phone Rastreador de Espionar celular gratuito more info Aplicativo para rastrear celular pelo numero Como puedo Como espionar conversas do whatsapp de outra pessoa Rastrear celular samsung galaxy young Rastrear iphone Download spybubble trial version Como rastrear un celular entel Programa Free iphone Iphone 6s imessage spy Descargar Como funciona Aplicativo de rastreamento para o celular Camara click see more Software espião Como rastrear meu celular samsung galaxy young Como espiar telefonos celulares gratis Www spybubble android 4 radio apk Rastrear Escuta telefonica para celular spy camera phone charger zeus keylogger download erfahrungen handyortung kostenlos

Onda Latina

domingo
20.Ago 2017
Início
O atirador do 1008 PDF Imprimir E-mail
Escrito por Jamil Alves   
13-Out-2016

varanda_-_jamil_alves_-a.jpgAqueles estampidos quebraram o silêncio da noite. Quem terá ousado sobrepor algum barulho à fala do apresentador do meu telejornal favorito? Um ladrão na rua de trás? Algum marido ciumento no prédio da frente? O vizinho da porta ao lado? Tive um dia esgotador, deixem-me voltar ao meu sossego!

Bang, bang, bang, mais três troadas muito fortes, e agora distingo com clareza que se trata de tiros rasgando a paz noturna. Sobressaltado, dou um pulo do sofá, corro para ver se as portas estão bem fechadas, se estão todos bem, se Miguel ainda dorme sossegado em seu bercinho azul a despeito da inquietação que começara a me dominar.

Outros disparos ocorreram. Crack, pow, kaplow!, e paro por aqui antes que me faltem onomatopeias ou anglicismos. Foram dez ou mais tiros num intervalo de aproximadamente quinze minutos. Se não foi o tempo real do relógio, então deve ter sido a duração do assombro criada pelo meu desassossego, inúmeras foram as tragédias que temi naquele momento: um atirador haveria de ter entrado no prédio, ao estilo boate Pulse, de Orlando? Seria um assalto ao condomínio na madrugada? Uma invasão de marcianos, uma praga de gafanhotos?

Ainda bem que alguém chamou a polícia, ufa! Oito viaturas paradas na porta do edifício fizeram me sentir importante. Se não estamos protegidos, pelo menos temos a ilusão de que estamos! A polícia levou o vizinho e eu assisti a tudo pelas câmeras do condomínio, que têm conexão com meu celular, tudo num estilo tão Big Brother que daria inveja até em George Orwell* com seu sentimento de distopia. Vizinho, por que você fez isso? Por que quebrou o silêncio da madrugada? Por que fez disparos na varanda? O sobrenome dessa nossa varanda é gourmet, foi o que me disse a construtora do nosso edifício na hora do fechar contrato; mesmo nos casos como o meu, que pouco entendo da arte e das manhas do bom cozinhar, nossos lares estão sendo gourmetizados. Então, por favor, entre na norma, desarme-se e gourmetize-se! – seja lá que diabos que isso queira dizer.

Vizinho, para que ter uma varanda tão bonita se você não sabe para que ela serve? Na minha, aqui em cima e ao lado, não temos armas. Temos dois aquários, alguns móveis de descanso, como uma namoradeira de estilo retrô, um arranhador de unhas para os três gatos da casa, alguns bancos rústicos e uma mesa de madeira onde fazemos os jantares olhando as luzes da noite e o brilho das estrelas, mesmo sendo poucas as noites em que o céu de São Paulo permite contemplar essas gracinhas celestiais.

Não, vizinho, você não me conhece. Eu a você, muito menos. Não faço nem ideia de como é o seu rosto, não sei o seu nome. Mesmo vendo a sua prisão pelas câmeras, não consegui identificar seus traços. Só deu para ver seu jeito meio ausente e aparentemente entorpecido não sei por que coisa nem por qual causa. Não, caro vizinho, eu não fico feliz com o acontecido, não gosto de ver ninguém em dificuldades. Devo dizer que estou desolado com tudo isso, mesmo tendo minha paz e meu merecido repouso noturno interrompidos pelos seus disparos desatinados. Quem sou eu para julgar seus atos, se não nos conhecemos, se sequer somos capazes de nos reconhecer como vizinhos na fila do pão francês da padaria da esquina para dizermos um ao outro um simples “bom dia"?

Bem, como não sei seu nome nem você sabe o meu, ficamos reduzidos a ser dois meros números, você 1008 e eu 1107, dois números empilhados entre centenas de outros, neste condomínio com torres e colunas batizadas com nomes de províncias e de cidades italianas. Eu, 1107, me limito a sul com o hall do 1103, a norte com a vista da varanda (gourmet, e não de tiro ao alvo ou tiro a esmo, não se esqueça!), a leste e pela entrada de serviço com o 1108, que fica em cima do seu, a oeste com a vista da rua, das antenas de tevê da Avenida Paulista e da entrada da garagem, abaixo com o 1007, seu vizinho next door  e, acima, com o céu e os motores do elevador.

Esses números, todos eles, são comportados e silenciosos – menos o seu depois de ontem, claro! Você rompeu as normas do condomínio, fez barulho inapropriado, fora dos horários civis, teve seu nome (ou seu número) tirado da lista dos mansos e cordatos. Hoje de manhã, não se falava de outra coisa nos elevadores, nos salões e nos corredores. Você deixou a vizinhança em polvorosa, e não faltou quem dissesse, agora com o respaldo dos fatos, “eu sempre achei esquisitão aquele cara do 1008”.

Nossa vida, prezado 1008, está toda numerada. E ela só pode ser tolerável quando um número não incomoda o outro, mas o respeita, ficando sempre dentro dos limites de seus algarismos. Os seus tiros geraram ruídos e algarismos demais. Você deveria, assim que possível, pedir desculpas e prometer silêncio.

Quem trabalha o dia inteiro tem direito a um merecido descanso noturno, porém é impossível repousar quando há disparos de pistola em alguma varanda próxima, não acha, senhor 1008? Os estampidos e os decibéis dos seus tiros me entristeceram, porque me mostraram que estamos extremamente longe da outra vida e do outro mundo com os quais eu sonho há muito, em que um homem batesse à porta do outro e dissesse: “Vizinho, é uma hora da manhã e notei que sua tevê está ligada, por isso vim. Tive um dia difícil e não tenho com quem conversar. Posso entrar?”. E o outro respondesse: “Claro, entra, vamos tomar um vinho, falar umas besteiras e dar umas risadas. Depois, pode levar meu Rubem Braga, mas me devolve logo porque ainda não terminei de ler”.Esse não seria mais o mundo de agora, este parecido com o faroeste caboclo da música famosa, ainda que em “versão varanda gourmet”, mas sim o mundo do bom da vida, da amizade, do amor, da paz e do riso.    

 

* George Orwell foi um escritor britânico (1903-1947), que escreveu o livro 1984, no qual descreve a vida num Estado totalitário, que tudo controla, que tudo vê. Nesse livro, as conquistas tecnológicas são utilizadas como instrumentos de monitoramento permanente dos indivíduos. Todos eram comandados pelo “Grande Irmão”, o Big Brother (de onde, muito provavelmente, surgiu o nome do famoso programa de tevê, em 1999).        
Atualizado em ( 13-Out-2016 )
 
< Anterior   Seguinte >

Enquete

Qual é o seu ritmo latino predileto?
 
Newsletter
Receba as novidades da Onda Latina no seu e-mail.
E-mail

Nome

Sobrenome

Cidade


 

Usuários On-line