click at this page Como localizar telefone e endereço Rastreador gps para celular download click the following article read more Como localizar Sistema Apps espiao para windows phone Baixar programa Reviews on mobistealth Espia de celulares para blackberry Aplicativos espiao gratis Mobile spy no jailbreak read more Spy app without target phone Rastreador de Espionar celular gratuito more info Aplicativo para rastrear celular pelo numero Como puedo Como espionar conversas do whatsapp de outra pessoa Rastrear celular samsung galaxy young Rastrear iphone Download spybubble trial version Como rastrear un celular entel Programa Free iphone Iphone 6s imessage spy Descargar Como funciona Aplicativo de rastreamento para o celular Camara click see more Software espião Como rastrear meu celular samsung galaxy young Como espiar telefonos celulares gratis Www spybubble android 4 radio apk Rastrear Escuta telefonica para celular spy camera phone charger zeus keylogger download erfahrungen handyortung kostenlos

Onda Latina

sábado
19.Ago 2017
Início
A alma do negócio PDF Imprimir E-mail
Escrito por Jamil Alves   
19-Abr-2017

lindeza_-_franklin_valverde.jpgHoje em dia, quase todo mundo é um publicitário em potencial. Não basta ter uma vida vivida: é preciso ter também – e principalmente! – uma vida mostrada e autoeditada.

O hábito da publicidade de si mesmo começa na escola. Algumas décadas atrás, nas últimas folhas dos cadernos, cheios de regras gramaticais e fórmulas matemáticas, havia sempre desenhos, recadinhos ou bilhetinhos, de amor ou de escárnio. Era uma forma de tornar públicos amores e ódios e chamar a atenção para si, já que todo mundo acabava lendo aquilo.   

Também não faltavam aqueles “cadernos de questionário”, que circulavam entre todos os alunos. Eles guardavam, em cada página, uma pergunta e as respostas dadas pelos colegas. Eu me lembro de ter levado para casa vários cadernos de questionários – que em geral pertenciam a meninas.

Esses cadernos eram uma chance sensacional de autopromoção, já que todos os que respondessem depois da gente poderiam ver o que havíamos dito, se já tínhamos beijado fulana, brigado com sicrano ou cabulado a aula de desenho geométrico. E, claro, as respostas eram sempre caprichadas e “pintavam” a nós mesmos do jeito que nós gostaríamos de ser vistos, não do jeito que éramos de fato – uma mentirinha para melhorar a realidade: quem nunca?

Depois de certa fase, nossa veia publicitária vai ganhando outras pulsações. Saímos da infância tentando ostentar brinquedos e objetos de valor, como tablets ou celulares de última geração hoje em dia, e ao entrar na adolescência estamos mais preocupados em exibir marcas de roupas e estilos ousados. O tempo vai modificando características e balangandãs, mas o modus operandi da autopromoção tem sempre a mesma base e os mesmos objetivos: pintar para os outros uma vida cor de rosa, quase sempre bem diferente e distante do nosso dia a dia cinzento.

O grau máximo do exibicionismo – ops, da veia publicitária – é atingido entre a adolescência e o início da vida adulta – embora atualmente muito marmanjo quarentão dedique grande parte do seu tempo a tentar aparentar vinte anos a menos, a mostrar que tem aquele carrão caro, aquele emprego dos sonhos e por aí vai.

As redes sociais e seus simulacros estão aí e não me deixam mentir. Abundam nelas barrigas de tipo tanquinho, peitolas turbinadas e um mar de selfies que não acaba mais – os humanos dos próximos séculos vão achar que era algum tipo de moda mutiladora não ter braços no século XXI?

O curioso disso é que alguém acreditou na mentira que outro alguém contou, que tirar selfie de cima para baixo (ploungée, para usar o galicismo exato) e projetar os lábios para frente emagrece na foto, quando, na verdade, o único efeito que essas ações causam é deixar a pessoa cabeçuda e bicuda.

Nessa mentira que se tornou pós-verdade* coletiva, a publicidade do tipo autopromocional acaba tendo efeito contrário e espantando a freguesia. A pessoa pensa que saiu com cara de Maitê Proença mandando beijo, mas na verdade ficou igual ao ET de Varginha deixando escapar um “uh” de dor porque a pedra no rim se moveu e causou dor lancinante.

Outro aspecto (assustador) desse lado publicitário inato das pessoas são as demonstrações de amor. O amor é uma coisa íntima, mas muita gente tem necessidade de torná-lo público. Exibir o par e falar do quanto o relacionamento vai bem é uma espécie de troféu contra a solidão.  Não, claro que eu não sou contra manifestações de amor e carinho. O que me incomoda na exposição do amor é saber que a foto ou aquele textinho romântico que foi publicado ali ou acolá muitas vezes não corresponde à realidade – amiúde nem tão bonita, nem tão doce, nem tão sublime, nem...

A criatividade dos publicitários do cotidiano autopromovido me espanta um bocado, eu confesso. Ver tanta tolice me estarrece, tanto desinformado discutindo política sem saber sequer o que faz um deputado ou um senador, tanto sem-noção tirando foto até das axilas, tanta gente vazia atribuindo pretensos ares de importância às suas ninharias cotidianas. O feio virou bonito e, o tosco, erudito. São os “véus de Maia” **; invisíveis, cotidianos.

Antes, já não importava o que somos: a busca pelo “verdadeiro eu” já havia caído em desuso há décadas. Depois, num passado não tão distante, “o ter” passou a merecer mais importância que “o ser”. E hoje, mais que ter ou ser, o que importa mesmo não é o que se é nem o que se tem: importante mesmo é o que se aparenta –  autopublicitariamente.

* Pós-verdade é uma circunstância ou contexto, geralmente de ordem cultural ou política, no qual a opinião pública comporta-se baseada mais em apelos emocionais falaciosos e na afirmação de convicções pessoais do que em fatos objetivamente observáveis.

** “Véu de Maya” é um termo filosófico que tem vários significados: em geral, refere-se ao conceito da ilusão que constituiria a natureza do universo. Maya, na mitologia hindu, é a dançarina que vai tirando seus véus à medida que dança e os arremessa para os espectadores, que resultam totalmente cegos ao final da apresentação. Os véus de Maya representam, metaforicamente, as mentiras, as ilusões e as percepções equivocadas que nós humanos temos da realidade. Ao longo da vida, vamos sendo entorpecidos, “cegados” por nossos “véus”: nossos traumas, decepções, expectativas etc.       
Atualizado em ( 19-Abr-2017 )
 
< Anterior   Seguinte >

Enquete

Qual é o seu ritmo latino predileto?
 
Newsletter
Receba as novidades da Onda Latina no seu e-mail.
E-mail

Nome

Sobrenome

Cidade


 

Usuários On-line