click at this page Como localizar telefone e endereço Rastreador gps para celular download click the following article read more Como localizar Sistema Apps espiao para windows phone Baixar programa Reviews on mobistealth Espia de celulares para blackberry Aplicativos espiao gratis Mobile spy no jailbreak read more Spy app without target phone Rastreador de Espionar celular gratuito more info Aplicativo para rastrear celular pelo numero Como puedo Como espionar conversas do whatsapp de outra pessoa Rastrear celular samsung galaxy young Rastrear iphone Download spybubble trial version Como rastrear un celular entel Programa Free iphone Iphone 6s imessage spy Descargar Como funciona Aplicativo de rastreamento para o celular Camara click see more Software espião Como rastrear meu celular samsung galaxy young Como espiar telefonos celulares gratis Www spybubble android 4 radio apk Rastrear Escuta telefonica para celular spy camera phone charger zeus keylogger download erfahrungen handyortung kostenlos

Onda Latina

quarta
23.Mai 2018
Início
Um encontro incomum PDF Imprimir E-mail
Escrito por Umba Hum   
21-Fev-2018
a_janela_-_franklin_valverde.jpgA cidade é como um mosaico. As longas avenidas cruzadas por ruas secundárias, que se entrecruzam com outras vias sem importância e voltam a encontrar largas avenidas. Ruas com nomes estranhos: – Corifeu Azeredo Marques, Salim Farah Maluf, Agamenon Magalhães... – e nomes que apenas são procurados no guia: Bem-te-vi, Sabiá, Garça, Anjo Custódio... 

As marginais, margeando os rios Pinheiros e Tietê, limitavam a cidade outrora.  Hoje, pontes, muitas pontes (do entroncamento da marginal Tietê com as rodovias Dutra, Fernão Dias e Airton Senna até a Av. Interlagos), ligam vidas e acontecimentos.

 

As artérias articulam pontos distantes: Leste, Sul, Centro. Carros, muitos carros, motos, caminhões, ônibus, serpenteiam pelas artérias, às margens nas marginais, alcançam uma alça de uma ponte e passam para o outro lado. Num trânsito constante e inebriante.

À noite a cidade, com luzes cintilantes vista do alto, até parece o Universo. Vista do alto, de um avião se confunde com uma galáxia de forma indefinida: a gravidade, que atrai, nela não tem sentido. Luzes de prédios, de postes, de faróis de semáforos brilham e iluminam os perigos de cada dia em cada esquina.

Viver é perigoso na grande cidade. A cada momento rola um movimento. Garotos e garotas nos cruzamentos, inadvertidos, vendem qualquer bugiganga, limpam para-brisas, fazem manobras circenses...; melhor, ameaçam com o perfil dos que foram colocados do lado de lá da margem. O movimento é livre: pedir, limpar para-brisa, prostituir não é crime...; um verdadeiro shopping em cada esquina; é um lance de dados ser ou não abordado.

Cruzar de carro ou de moto uma rua à noite a partir de certo horário é perigoso. Há os garotos, as garotas, o semáforo que, verde, indica passagem e, vermelho, recomenda-se passagem igualmente (uma lógica curiosa: a sinaleira é só um monumento na cidade à noite; serve para apreciação, como as esculturas de Brecheret no Ibirapuera...). Tantos carros, tantas motos num mesmo cruzamento; eis o risco da vida agitada e perigosa.

No meio da noite, um homem (sim, há sempre um homem, uma mulher, uma criança, um velho, uma velha...) olhava, da janela do apartamento em que mora, a velocidade dos carros, a movimentação de motos, de pedestres de todo tipo de gente... Ele olhava – como olhava todos os dias (e não há razão para saber por que, pois não há o porquê) – para o cruzamento que, a partir de certa hora, tem movimentação amena.

Há um cruzamento não distante do apartamento, de onde se vê casas térreas...: é uma área residencial...; duas quadras antes do apartamento, talvez um comércio clandestino, duas ou três quadras após o semáforo, talvez uma grande avenida, talvez a marginal.

Em uma noite, um carro, em momento em que o movimento é quase inexistente, vinha na velocidade recomendada pelos sinais. O semáforo estava verde. A rua quase vazia. O semáforo ficou amarelo e o carro aumentou a velocidade para cruzar o cruzamento. Súbito, uma moto encontrou o carro no cruzamento.

Tudo foi tão rápido que o homem no apartamento não conseguiu entender direito o evento singular. A moto derrapou no asfalto, faíscas pelo atrito foram vistas. Mas tudo foi muito rápido.

Apesar das luzes, de todas as luzes, à noite a noção de espaço é reduzida. O homem não percebeu quando um jovem levantou-se e dirigiu-se ao condutor, ou condutora, do carro. De onde estava, o homem presenciou uma discussão. O jovem da moto falava alto em tom de ameaça. Gritava, colocava a mão na cintura como a indicar que debaixo da roupa havia uma arma.

Do apartamento não era possível saber o que o jovem falava; apenas seus grunhidos eram ouvidos. Nesse lapso de tempo tão pequeno, o homem no apartamento não se deu conta se foram 20 segundos, 40 segundos, 60 segundos... – o homem do apartamento gosta de progressão aritmética. Para o jovem da moto tomado de fúria, o tempo correu como o movimento dos gases: aleatório. Para quem estava no carro, o tempo foi o do pesadelo: “Esse cara surgiu de onde, meu Deus! O que está acontecendo?”.

Assim o homem do apartamento imaginou como se sentia o dono, ou dona, do carro: um acontecimento insólito, como nos filmes de David Lynch (o homem no apartamento, com a TV ao fundo da sala, via “Estrada perdida”): por um momento sentiu-se no absurdo, na estranheza do mundo.

Mas o estranho sempre se pode revelar mais estranho na absurda estranheza. O dono, ou dona, do carro, devia estar apavorado, ou apavorada, pensava o homem do apartamento, pois nesse lapso de tempo permaneceu estático, estática. O carro não se moveu; não se ouviu voz de dentro dele.

Mas o estranho sempre se pode revelar mais estranho porque uma moça surgiu das trevas da noite e gritou: “Moça vai embora pelo amor de Deus! (Ah, agora o homem do apartamento passou a saber que o carro era dirigido por uma moça”. Talvez houvesse mais alguém no carro, mas palavras foram dirigidas a quem dirigia). “Eu seguro ele, mas pelo amor de Deus, moça, vai embora logo daqui!”.

O tempo, para o homem do apartamento, corria em progressão aritmética. 30 segundos, 60 segundos, 90 segundos....; a moça que surgiu sem que nem por que segurou o jovem da moto, que se agitava e vociferava... Nenhum outro carro cruzou o cruzamento nesse ínterim, nenhum transeunte foi visto pelo homem do apartamento.

O semáforo? O homem também não sabe se voltou a ficar verde, se ficou vermelho novamente. Essas coisas também são estranhas. Em certos momentos parece que o universo se encolhe à estranheza. Num lapso de tempo o mundo para na cidade sempre em movimento, na cidade cruzada por mendigos, bêbados, prostitutas, ladrões de ocasião..., garotos e garotas que ameaçam nos semáforos...

Assim parece ser. Um carro parado, com uma moça que o dirige e talvez mais alguém, uma moto a uns vinte metros do outro lado da rua, um jovem motoqueiro, talvez machucado pelo choque com o carro, uma moça desesperada, que grita e o homem do apartamento, que não tem ideia da razão do grito.

Do apartamento, num tempo indizível, o homem, apenas observava: imóvel. O carro acelerou, os pneus atritaram o asfalto, o carro disparou, cruzou o cruzamento.

O semáforo? O homem não sabe. Talvez estivesse vermelho. Não importa, se não houver câmara do CET naquele cruzamento.... Não houve, isso sim, outra moto no cruzamento. O homem fechou a janela do apartamento, não ouviu mais nada, deitou-se e antes de dormir fico vendo “Estrada perdida”. A cidade em movimento constante está tranquila, ele pensou.

Ilustração: A janela - Franklin Valverde

 

Atualizado em ( 21-Fev-2018 )
 
< Anterior   Seguinte >

Enquete

Qual é o seu ritmo latino predileto?
 
Newsletter
Receba as novidades da Onda Latina no seu e-mail.
E-mail

Nome

Sobrenome

Cidade


 

Usuários On-line

Temos 1 visitante on-line