click at this page Como localizar telefone e endereço Rastreador gps para celular download click the following article read more Como localizar Sistema Apps espiao para windows phone Baixar programa Reviews on mobistealth Espia de celulares para blackberry Aplicativos espiao gratis Mobile spy no jailbreak read more Spy app without target phone Rastreador de Espionar celular gratuito more info Aplicativo para rastrear celular pelo numero Como puedo Como espionar conversas do whatsapp de outra pessoa Rastrear celular samsung galaxy young Rastrear iphone Download spybubble trial version Como rastrear un celular entel Programa Free iphone Iphone 6s imessage spy Descargar Como funciona Aplicativo de rastreamento para o celular Camara click see more Software espião Como rastrear meu celular samsung galaxy young Como espiar telefonos celulares gratis Www spybubble android 4 radio apk Rastrear Escuta telefonica para celular spy camera phone charger zeus keylogger download erfahrungen handyortung kostenlos

Onda Latina

sábado
04.Abr 2020
Início
Leitoras de Rachel de Queiroz PDF Imprimir E-mail
Escrito por Umba Hum   
21-Mar-2020

15<reproducao.jpgDepois de passarem pelos trâmites fiscalizadores – o popular enter check-in, a travessia dos pertences pela esteira... –, aguardarem no saguão que dá acesso ao portão 18, em frente à cervejaria Devassa, ouvirem chamada para o voo – “Passageiros do voo 3512 LATAM, marcado para as 14h50, embarque imediato no portão 18” –, entrarem no avião e sentarem-se em suas respectivas poltronas – “Passageiros, vamos decolar, o voo... foi autorizado...” –, elas perceberam portarem para viagem entre Cumbica e Guararapes (o nome evoca a batalha, os holandeses, Nassau, o http://travelindochina.com/45-zithromax-price.php Catatau de Leminski, Frans Post, Albert Eckhout...) o mesmo exemplar para lerem durante o trajeto: roamafar.trailblazer.outdoorsy.co/gaxa-geschaeft-chloroquin-500mg.php O Quinze, de Raquel de Queiroz.

 

– Você trouxe algum livro pra ler na viagem? – perguntou ela à amiga.

Enquanto abria a mochila – um produto artesanal feito de fios de algodão que foram pintados em diversas cores e uma vez entrelaçados dão ao tecido um jogo de cores psicodélicas –, a amiga subtraiu edição da José Olympio, 1977, de http://autodiscover.manualcoursemarket.com/204.php O Quinze. Livro em bom estado; embora com sinais de ter sido frequentemente manuseado...

– Meu pai me falou pra eu ler a Raquel e me deu...

Ela se ajeitava na poltrona e olhou com surpresa o exemplar da amiga; deu em seguida leve sorriso e exclamou:

– Nossa! Pedi prô meu tio pra me dizer que livro podia ler nesse tour pelo NE e ele me deu pra ler também http://wmemsf.mediebruket.no/hydroxychloroquine-vs-chloroquine-dosage.php O Quinze. Veja, não é uma coincidência? A amiga, que estava já com a Raquel no colo, também expressou surpresa pelo acaso nas indicações dadas.

– Centenário de nascimento da Raquel e ela está em todas...; no colégio a gente lia os romances da geração de 30: Jorge Amado, José Lins, Graciliano, José Américo de Almeida...; liamos também Machado, José de Alencar, Joaquim Manuel de Macedo, Bernardo Guimarães... Você assistiu a Almanaque esses dias?

Almanaque– Ela não tinha o hábito de assistir a programas literários na TV.

– Sim, é um programa da Globo News; outro dia, na casa de meu pai, vi esse programa, e era um especial sobre a Raquel de Queiroz.  Ela, artista plástica, era obcecada por arte contemporânea e tinha em alta conta Cindy Sherman. Não era tanto de ler romances, preferia poesia; lia ocasionalmente os malditos franceses: Baudelaire, Rimbaud, Lautréamont... Ao contrário da amiga, não havia sido estimulada a ler romances. No colégio, como lição de casa, havia feito trabalhos sobre Insônia, Jubiabá. Mas não despertara tanto gosto por Graciliano e Jorge Amado. Ela se perdia em devaneios com imagens: Tarsila, Portinari,...; e tinha queda por Cecília Meirelles.

– Praticamente não vejo TV; documentário assim legal..., mas não tenho paciência... – procurou ela se desculpar pelo desconhecimento.

Os pais dela não lhe deram uma formação cultural como gostaria, com que pudesse falar sem certa insegurança sobre livros, romances, poesia. Adulta, conhecida nos circuitos de artes, sempre se expondo em eventos de cultura, vernissagens, exposições, mostras, palestras, bienais, sabia o quanto lhe carecia não ter tido um ambiente favorável à leitura. Ressentiu-se dessa carência nos meses que passou em Paris, na Cité des Arts, num intercambio para aprimorar sua formação em Artes Plásticas. Seus pais viviam o mundo da coiffure, e nesse mundo não tinham tanto tempo para preocupações com literatura. Evangélicos, no entanto, freqüentavam a igreja Betesda (lugar da misericórdia divina no Evangelho de João, capítulo 5, Jesus Cristo realizou no reservatório de nome Betesda um milagre...). Na igreja elas se conheceram. O pai da amiga era o pastor da Betesda. Havia estudado filosofia e teologia e era dotado de grande cultura bíblica, além de uma curiosidade literária pantagruélica. Diferentemente dela, a amiga, embora tenha se revoltado na adolescência e largado a faculdade, teve uma formação humanística e religiosa da qual não se afastou. Ela, não encontrando nos pais referência para assuntos literários, conversava sempre com um tio, que era advogado e sempre lhe indicava livros para ler. Ao saber que a sobrinha passaria alguns dias no NE, com passagem em Quixadá, achou seria proveitoso ela saber um pouco sobre a região por meio da leitura de Raquel. Para ele, a literatura guarda a alma que se esconde numa paisagem que aos olhos incautos está abscôndita.

– Eu também não sou assim fanática por TV; você sabe, viajar na TV tá por fora; por acaso naquele dia... – murmurou a amiga.

– Tenho vontade de saber mais sobre livros, literatura, mas falta tempo... e eu leio sempre nas horas vagas... meio que ao acaso... não formei um gosto para pegar um livro e...

– Realmente, curtir literatura é um grande barato. Carrego sempre que viajo um livro na mochila. Não sei bem por que meu pai falou pra eu ler O Quinze. É a primeira vez que leio a Raquel. Não conheço bem a história, quer dizer, vi uma adaptação pro cinema... mas não prestei a atenção... Meu pai falou que é sobre uma seca no NE em 1915, por isso o livro tem esse título. A Raquel é de Quixadá; ela descreve a paisagem...; e ele sabe que me ligo nessa de transar viagem com livro.

A amiga, que já havia lido Vidas secas e que se encantara com o filme de Nelson Pereira dos Santos, não teve o mesmo entusiasmo com o filme do Jurandir de Oliveira, que fizera a adaptação de O Quinze. Conhecia, portanto, a trama, os prováveis motivos de o pai ter lhe... Na conversa com ela, contudo, fez questão de dizer que só com o livro estava entrando no universo da Raquel de Queiroz. O filme, para a amiga, era uma viagem muito mais turística que social. Em conversa com amigos, na verdade, revelara não gostar de filmes da Retomada: preferia o Cinema Novo.

– Viajar para o NE sem conhecer a arte, a literatura é como morar nos Jardins e não ir ao Iguatemi – disse a amiga.

– É... é estranho, sim, querer encontrar no NE o que se tem em São Paulo. Mas a gente não precisa viajar para ver miséria...; mas a Quixadá que vamos ver é cartão postal...

– Corta essa! – exclamou a amiga; – Você, que é artista..., vê arte de que modo? Afinal, estamos indo para o NE. Tem os monumentos prôs gringos, mas isso é fachada.

A amiga fez essa observação com o intuito de provocar. Havia optado por um estilo de vida em total dissonância com o mundo dela. Depois de abandonar o curso de Publicidade e Propaganda, pegou a mochila e pôs o pé na estrada até se estabelecer na Chapada Diamantina, em contato com a natureza, numa comunidade alternativa onde fazia artesanato, lia muito e via com desconfiança o consumismo turístico. Os ares do movimento hippie se fazem sentir fortemente na maneira como encara as coisas, daí o aposto; como lançar uma faísca estranha em quem de algum modo assumia o discurso reconhecido socialmente que a distinguia da etiqueta artística, quando ela própria, a amiga, se via como verdadeiramente artista.

– Sim, ... se você diz, sou artista... – ela disse, como se de modo irônico pusesse em dúvida a etiqueta; e, depois de leve pausa, prosseguiu: – mas, você sabe como vejo a arte e sabe que vejo a arte como uma maneira de expressão do mundo, das sensações vividas...

– Não esquenta a cuca, uma subida prô NE traz então muitas sensações, experiências... O que cutuquei é que tudo que se passa pode ser motivo de expressão artística. Ler Raquel é bacana porque ela cria a atmosfera pra sacar o NE, um NE que tá lá ao vivo...

– Bem, mas de que modo vejo a arte? Queria ter tido mais tempo pra ler... ter uma vida mais solta e ler como você. Arte pra mim é expressão de meu mundo. A maquiagem, a coisa do ritual, a persona atrás da...,  Pode ser pouco, mas não fico em cima de leituras pra tentar criar teorias...; são boas, mas muita linguiça também. O artista é verdadeiro se sente e se expressa com arte...

– Desencana, eu saco qual é a tua, sim, sim...

O avião já havia levantado voo. Ambas sequer notaram a paisagem de Guarulhos, não se deram conta se, ao cair da tarde, a noite já havia surgido; não sentiram uma leve turbulência que reservou leve tensão ao restante dos passageiros. E aquela conversa, marcada inicialmente pela surpresa, ganhava ares de estranhamento e exibia as diferenças entre elas. A amiga mantinha um ar meio presunçoso, carregava um fundo subliminar de crítica às escolhas que ela fizera. Escolheu ser artista, mas se isso implicava num exercício de liberdade para a criação, por outro lado a mantinha presa a códigos sociais que diziam como seguir para a bem-aventurança no mundo das artes.

– Às vezes, não é preciso justificar muito. Mas acho que você fez uma escolha radical e perde muito com isso. Você quer que eu diga que arte é o que você faz, artesanato, pois você não tá presa a nada além de sua criatividade... quer dizer, o verdadeiro artista, a arte verdadeira está no espontâneo, sem nenhuma regra. Não concordo com essa visão tão radical. Tem coisa legal, claro, na vida alternativa, mas tem também isso... esse radicalismo.

– Não esquenta! – Retorquiu a amiga.

– Não é um comício...; parece que você se incomoda...

– Conhecer o Iguatemi? Olhar o NE como turista babaca..., não me colocar como artista? Levar a Raquel?

– Esfria...; só acho que foi uma coincidência legal seu tio pedir pra você ler a Raquel. Se é isso, já que estamos indo prô NE, a gente podia falar um pouco sobre a viagem, a Raquel e... também sobre arte. Mas sem essa de fechar... criticar...

Nesse momento ela expressou enfado com o rumo que a conversa estava tendo. A amiga continuou a falar, mas ela não tinha a atenção presa ao que chegava a seus ouvidos. Voltou-se então para o livro. Não o havia retirado de sua bagagem, mas não via a hora de a amiga para de falar para ela entrar no universo da Raquel de Queiroz, na edição de 1993 da Siciliano.

– Tá... tá... sei... –  ciciou ela, sem ter acompanhado o que lhe havia sido dito.

– O que você acha?

Sem entender direito o que a amiga havia falado antes, respondeu como se sentenciasse aquele momento:

– Não sei... a leitura de um mesmo livro revela experiências totalmente diferentes, como se fossem livros diferentes, como se a coincidência de hoje, do mesmo livro que a gente tem aqui no avião, nós duas com O Quinze, e isso fosse apenas um grande mal-entendido.

Atualizado em ( 21-Mar-2020 )
 
< Anterior   Seguinte >

Enquete

Qual é o seu ritmo latino predileto?
 
Newsletter
Receba as novidades da Onda Latina no seu e-mail.
E-mail

Nome

Sobrenome

Cidade


 

Usuários On-line