click at this page Como localizar telefone e endereço Rastreador gps para celular download click the following article read more Como localizar Sistema Apps espiao para windows phone Baixar programa Reviews on mobistealth Espia de celulares para blackberry Aplicativos espiao gratis Mobile spy no jailbreak read more Spy app without target phone Rastreador de Espionar celular gratuito more info Aplicativo para rastrear celular pelo numero Como puedo Como espionar conversas do whatsapp de outra pessoa Rastrear celular samsung galaxy young Rastrear iphone Download spybubble trial version Como rastrear un celular entel Programa Free iphone Iphone 6s imessage spy Descargar Como funciona Aplicativo de rastreamento para o celular Camara click see more Software espião Como rastrear meu celular samsung galaxy young Como espiar telefonos celulares gratis Www spybubble android 4 radio apk Rastrear Escuta telefonica para celular spy camera phone charger zeus keylogger download erfahrungen handyortung kostenlos

Onda Latina

segunda
21.Jun 2021
Início
A cachorrinha Chiquinha PDF Imprimir E-mail
Escrito por Umba Hum   
14-Mai-2021

chiquinha<_franklin_valverde.jpgVocê disse que seu amigo tem uma cachorrinha chamada Chiquinha. Cachorrinha, Cachorrinha, Cachorrinha... uau, uau, uau... A cachorrinha latia quando ele chegava.

enter

“Nada como ter uma cachorrinha e brincar com ela todos os dias no quintal em que ela não fazia outra coisa a não ser passar os dias”, pensava seu amigo sempre que chegava ao quintal e a cachorrinha Chiquinha vinha e subia em suas pernas e lambia seus braços, enquanto ele jogava a Chiquinha de um lado pro outro, e ela ficava ofegante depois das brincadeiras de sempre.

E seu amigo, como sempre, você disse, gostava de contar casos da Chiquinha toda vez que você se encontrava com ele. No dia-a-dia, às vezes, seu amigo trabalhava no bar do pai dele e ele ficava no balcão e também uns rapazes que dia sim e outro também ficavam no bar, jogavam sinuca, bebiam cerveja, mexiam com as minas que passavam na rua, falavam de futebol...; às vezes seu amigo se recolhia para afazeres diários da escola, ele que só ele ostentava livros nas horas em que não estava no bar no lugar em que morava e lia histórias de acontecimentos do passado; às vezes, se cansava ao cruzar a cidade: ônibus, ônibus + ônibus, ônibus + metrô + ônibus – alguma coisa como superar distâncias com e sem os pés. Já a Chiquinha no quintal ficava à sua espera. E ele, quando via você três ou quatro vezes por semana, você que estudava com ele na mesma escola, falava da Chiquinha.

“Vida de cachorro é boa; nada de ficar em ônibus +..., coisas que nós humanos todos os dias fazemos, todos os dias e às vezes também...”, assim pensava ele, você dizia; pois ele não tinha carro e tinha de estudar longe do quintal em que ficava a cachorra Chiquinha.

Entre casos e casos que seu amigo contava da cachorra Chiquinha, sempre alegre, brincona, pulava, lambia, balançava a cauda. A alegria canina é diferente e sempre alegre com ela, você disse que seu amigo disse ter visto um dia uma ferida, pústula, bostela, na cauda da Chiquinha, que sempre alegre vivia e mexia a cauda pustulenta.

Pensava, na verdade, seu amigo, no início, que não se tratava de uma ferida purulenta. E Chiquinha nada reclamava, sempre alegre mexia a cauda com a ferida, que nem parecia uma ferida e sim uma berebinha, uma bostelinha que sararia e desapareceria logo  e ele nem ia notar. Com o tempo, contudo, a berebinha pestilenta da Chiquinha não desapareceu e se avolumou, se avolumou e seu amigo, que nunca levava a Chiquinha prô veterinário ficou velhaco.

“A ferida da Chiquinha não sara! Já faz um mês...

A ferida contornava a cauda da Chiquinha no meio caminho entre a ponta e o orifício anal. E com o tempo a berebinha virou um carbúnculo hemático que se expandia, expandia. E a Chiquinha, que antes não reclamava, começou reclamar.

“Caramba! Com tanta coisa pra fazer eu e agora tenho de toma conta da Chiquinha; aqui ninguém percebe que ela tá com uma ferida que cresce, cresce...; olha como está o rabo dela? Assim ela vai ter uma gangrena e morrer se ninguém cuidar; vai morrer, coitada. Chiquinha! Chiquinha! Chiquinha! Vem, vem, vem aqui Chiquinha, vem aqui...”

Chiquinha, entrementes, não estava mais tão alegre; não balançava a cauda quando ele chegava no fundo do quintal e choramingava pra ele brincar, ããã... ããã... ããã; agora, depois de mais de mês convivendo com a ferida na cauda em estado putrefato, a Chiquinha vivia reclamando, uhm, uhm, uhm...; Chiquinha uivava de dor; Chiquinha não balançava a cauda como antes.

E a preocupação de seu amigo, você disse, foi aumentando porque para ajudar a Chiquinha, coisa que só ele podia fazer, ele tinha que deixar de lado a arrumação de todos os dias; que não era pouca, pois além de tudo seu amigo costumava cruzar a cidade para ler algumas historinhas de acontecimentos do passado.

Depois de três meses a Chiquinha com a ferida pútrida, você disse, ele comprou Bactrovet Prata AM para medicar todas as noites antes de dormir a cauda com a ferida envolta em putrescinas da Chiquinha. O remédio, um spray, era aplicado de forma rotineira na ferida para eliminar sangramentos e causar efeito adstrigente e hemostático para formar uma película protetora e sarar a Chiquinha. Mas a ferida, você disse que ele disse, já estava muito avançada na sua necrose e que moscas varejeiras sobrevoavam insistentemente em volta da cauda pestilenta da Chiquinha. E você disse que ele demorara bastante pra procurar um médico de cachorro para examinar o estado da cauda da Chiquinha. Coitada, ela não mexia a cauda, alegre como antes.

“...os remédios não fazem. efeito... caramba! Coitada, como a Chiquinha está triste”, pensava seu amigo, que esperava o pior.

Uma noite, como todas as noites antes de dormir, seu amigo, como habitualmente com a ferida da Chiquinha, arrumava o cantinho onde ela dormia, deixava ração, medicava-a e ia dormir. Seu amigo, você disse que ele disse, já não tinha esperança de voltar a encontrar a Chiquinha no quintal balançando a cauda e lambendo as mãos dele...

Na manhã seguinte, ele acordou e foi ver a Chiquinha, que lambia o toco de cauda que lhe restara, depois, você disse que seu amigo disse, de amputar parte da cauda à noite com seus dentes caninos.

“Caramba! Ela comeu o próprio rabo...”, exclamou assustado seu amigo. Chiquinha, alegre, como antes da ferida purulenta, parou de lamber o toco de cauda que restou e jogou as patas em seu amigo, como fazia antes da ferida que no início parecia uma berebinha que depois virou um carbúnculo hemático. Seu amigo então, depois do susto e incredulidade, pensou nos segredos insondáveis da vida animal. E você contou toda a história em momentos diferentes, sempre rindo do que os animais são capazes. E a cachorrinha Chiquinha, agora sem bom pedaço da cauda...

E na verdade bem se poderia pensar que a Chiquinha bem sentia o momento, o exato momento, em que iria amputar a cauda por causa da pústula cada vez mais putrescível ou, se não fosse o caso, não amputá-la. Mas seu amigo, você dizia, e o médico e nós humanos, sempre imaginamos que os animais não sabem e precisam de remédio que nós humanos fabricamos e que não melhoraram o estado pustulento da cauda da Chiquinha.

A cachorrinha Chiquinha, você disse que seu amigo disse, morreu anos depois, no alto de sua velhice canina, de morte outra estranha à pustulenta ferida que lhe custou pedaço da cauda.

Ilustração: Chiquinha – Franklin Valverde
Atualizado em ( 14-Mai-2021 )
 
< Anterior   Seguinte >

Enquete

Qual é o seu ritmo latino predileto?
 
Newsletter
Receba as novidades da Onda Latina no seu e-mail.
E-mail

Nome

Sobrenome

Cidade


 

Usuários On-line