como localizar un celular x satelite Como localizar telefone e endereço link App rastrear Stealthgenie Como localizar celular com gps samsung Sistema Apps Baixar programa para rastrear meu celular link Espia de Aplicativos espiao gratis Mobile spy no jailbreak Camera para espionagem porto alegre visit web page Rastreador de celulares telcel Espionar celular gratuito Camaras espia valladolid Aplicativo para rastrear celular pelo numero click to see more Como espionar conversas do whatsapp de outra pessoa Rastrear celular samsung galaxy young Rastrear iphone Download see more Programa espião hacker Free iphone click click the following article Como funciona programa espião de celular Aplicativo de rastreamento para o celular Camara espia Software espia see more read article Como rastrear meu celular samsung galaxy young Como espiar telefonos celulares gratis Www spybubble android 4 radio apk Rastrear telefone online Escuta telefonica espionnage rastreador para celular nokia e5 como
Com brasileiro, não há quem possa
Escrito por Jamil Alves   
05-Jul-2018

bola_-_jamil_alves.jpg“90 milhões em ação, pra frente Brasil, do meu coração”. E assim, com 115 milhões de habitantes a mais e 48 anos depois, lá está o Brasil de novo torcendo alvoroçado em mais uma Copa do Mundo de futebol.

A Copa começou chocha: o empate de 1 a 1 com a Suíça e a triste lembrança do 7 a 1 da Copa anterior pesaram sobre o ânimo da torcida.

Porém, conforme o Brasil vai avançando, a empolgação da torcida vai ressurgindo e estamos, agora, à espera de um confronto com a Bélgica.

Minha relação com o futebol nasceu de forma semelhante a como acontece para quase todos os meninos brasileiros (pelo menos para quem era criança até os anos 80 ou 90): na pelada de rua. Foi naquela época, naquele passado remoto, que me convenci de que futebol não é para mim, definitivamente.

Sempre grandão e desengonçado, nunca tive grandes habilidades futebolísticas. O esporte que cheguei a praticar com um pouco mais de habilidade foi o vôlei, talvez o único que eu tenha conseguido jogar corretamente (e não bem) algum dia. O futebol só me rendia dedos machucados, unhas extirpadas e o banco de reservas depois de ser o último escolhido para formar um time na aula de educação física.

Fosse na escola ou na pelada de rua, o futebol tinha regras rudimentares, geralmente ditadas pelo professor de educação física, que se esmerava em ensinar e fazer seguir as regras oficiais, ou pelo dono da bola, no caso da rua. Melhor que qualquer programa político de inclusão social era a figura do “café com leite”, que era aquela criança que ainda não estava em condições de acompanhar a brincadeira, geralmente por ser menor que os demais, mas que podia jogar sem que seus lances valessem e sem que fizessem marcação muito forte nela. O futebol da infância tinha esse lado maravilhoso, mas o paradoxo é que os casos de litígio eram quase sempre resolvidos no tapa.

Eu, embora não seja um grande apreciador de futebol (onde já se viu assistir por quase duas horas a uma partida de um troço que pode terminar em zero a zero?!), reconheço que ele tem grande papel na unidade nacional brasileira, na maneira como nos vemos e até como nos entendemos.

O triunfo na Suécia em 1958 – época em que alguns jornais brasileiros ainda usavam o termo “ludopédio” para nomear o futebol – teve tanta importância para nós como a Primeira Missa. O Brasil começava. Nós nos inaugurávamos. Deixávamos para trás era um “pré-Brasil”. Até aquele ano, o brasileiro não ganhava nem em jogo de palitinhos. Ninguém acreditava no Brasil, nem mesmo o Brasil acreditava em si.

Desde então, a cada Copa do Mundo o país se transforma, inspira-se, alegra-se. É bem verdade que futebol é uma espécie de pão e circo para o povão, eu creio nisso e não há quem me faça mudar de ideia. No entanto, curtindo a Copa ou não, nossas mazelas estarão como e onde sempre estiveram – e à espera de solução.

Então, já que não tem jeito: Pra frente Brasil, Brasil, salve a Seleção! VAI, NEYMAR!

 
Atualizado em ( 05-Jul-2018 )